Tecnologia e Análise de dados no Direito

Publicado em:

Sem tempo para ler? Aperte o play abaixo e ouça o artigo!

A tecnologia aplicada ao Direito é fundamental para alcançarmos maior organização e eficiência no segmento. A computação em nuvem, por exemplo, trouxe uma nova maneira de lidar com o armazenamento de dados. A inteligência artificial é a base de inúmeras soluções que auxiliam na tomada de decisões. A informatização da justiça brasileira levou para o ambiente eletrônico os processos judiciais.

#Benefícios da tecnologia no Direito

Quando pensamos na tecnologia aplicada aos escritórios de advocacia, ela possibilita uma gestão jurídica otimizada em inúmeros aspectos. Podemos citar uma gestão de documentos mais eficaz, como:

  • Melhoria no relacionamento com clientes;
  • Automatização das tarefas repetitivas e burocráticas;
  • Otimização do tempo;
  • Workflow bem mais fluido.

Nos tempos atuais, em que há grande adesão ao trabalho remoto, a tecnologia assume ainda maior responsabilidade. Por meio de um software jurídico, por exemplo, o gestor consegue organizar toda a atividade mesmo à distância, isso é fundamental quando se trabalha em home office. Principalmente se falamos de uma ferramenta completa que pode ser acessada em diversos dispositivos.

Com um bom software, há maior controle sobre as informações e os fluxos de trabalho. No mesmo sentido, há maior integração entre as áreas do escritório, pois os dados estão centralizados. Dessa maneira, os profissionais atuam de maneira mais prática e produtiva, garantindo maior eficiência em toda a atividade jurídica.

E um ponto específico, proporcionado pelo software jurídico, merece grande destaque: a análise de dados. Antes de entrar mais profundamente no assunto, merece destaque o profissional que a realize: o cientista de dados. Ele deve ter conhecimento técnico sobre gestão de dados, Business Intelligence, Legal Analytics, LGPD, métricas e gestão qualitativa. Mas é desejável que tenha também habilidades adicionais, como competência em tecnologias inovadoras e visão de negócios.

É fácil encontrar esse profissional?

Certamente não, e isso se torna mais difícil quando falamos em análise de dados no escritório de advocacia. Afinal, ele precisa ter intimidade com o ramo.

Felizmente, com a “popularização” desta importante função no escritório, veremos mais profissionais capacitados para a análise de dados. E o como é desenvolvido o trabalho de análise de dados?

#Análise de dados do escritório de advocacia

A análise de dados depende de um objetivo específico. Com ele traçado, o trabalho começa. Considere, inicialmente, a existência de uma gestão quantitativa dos dados (data driven) e uma gestão qualitativa (Legal Analytics na advocacia). Para uma boa análise de dados no escritório de advocacia, é preciso unir as duas abordagens. Isso significa:

  1. Escolher os dados certos para monitorar;
  2. Analisar os dados conforme o foco e a meta de cada área do escritório de advocacia;
  3. Estabelecer práticas de monitoramento de dados e orientar as equipes a aplicá-las;
  4. Fixar parâmetros reais para analisar os dados.

Perceba que em muitos momentos citamos as métricas, que são dados operacionais brutos que dão origem a indicadores. Elas servem para o gestor avaliar o desempenho dos negócios. Inadimplência, carga de trabalho pessoal e produtividade dos colaboradores são alguns exemplos. A partir da análise delas, definem-se as estratégias para a gestão do escritório.

As métricas descritivas (referem-se ao passado) são fundamentais para que o cientista de dados entenda o que aconteceu. Por isso, devem ter atenção especial. E já deixamos aqui uma dica fundamental: elas estão no software jurídico. Saber exatamente o que aconteceu ao invés de imaginar uma projeção será determinante para traçar estratégias eficazes.

Mas isso não quer dizer que as projeções devem ser descartadas na análise de dados. Afinal, existem as métricas preditivas (orientadas ao futuro), que servem para prevenção de riscos e eventos adversos. Lembra-se da análise preditiva, certo? O pensamento é semelhante: antecipar acontecimentos e ações para agir de maneira melhor.

#O Software Jurídico eleito 3x o mais utilizado no Brasil

A tecnologia e a análise de dados são assuntos intimamente ligados aos softwares jurídicos. O CPJ-3C, software jurídico da Preâmbulo, é uma ferramenta completa.

Neste aspecto de análise de dados, um dos seus maiores destaque é contar com a ferramenta de Business Analytics. O cientista de dados consegue capturar dados do sistema do usuário e transformá-los em dashboards (painéis interativos). A partir da inserção de dados com os padrões atuais, o software também gera automaticamente informações.

Por meio da ferramenta, os profissionais podem acompanhar demandas contenciosas e consultivas, visualizar a carteira de processo, visualizar a produtividade do time e de terceirizados, acompanhar de forma interativa os prazos, entregar informações assertivas para o cliente e muito mais.

Com os indicadores do CPJ-3C, a análise de dados é muito mais precisa. Dessa forma, as informações são utilizadas de maneira estratégica e podem trazer resultados positivos para o negócio.

No entanto, é fundamental destacar que essa ferramenta contribui em todos os âmbitos da gestão jurídica. Tudo que diz respeito ao Legal Operations, à controladoria jurídica e à área jurídica em si está presente no CPJ-3C.

Ele organiza as rotinas internas e os processos, facilita o controle financeiro total, faz uso de funcionalidades para análise de dados e resultados do escritório, auxilia o marketing com os dados cadastrados dos clientes e muito mais. Veja outras funções que ele oferece:

  • Elaboração de relatórios personalizáveis que exercem papel importante nas decisões estratégicas;
  • Indicadores que auxiliam no alinhamento das equipes e aumentam a produtividade;
  • Integração do controle processual com o controle financeiro;
  • Robôs de automação que se integram com outros softwares;
  • Controle de prazos e tarefas, e muito mais

Para gerir um escritório de advocacia como uma empresa, o gestor jurídico deve pensar em como estruturar seu negócio. O planejamento estratégico é sempre o começo de tudo, pois, define os objetivos que devem ser atingidos, bem como as ações e os prazos para tanto.

Que tal conhecer um pouco mais sobre o CPJ-3C? Clique aqui

Please follow and like us: