Estabilidade do software jurídico: por que isso importa

Publicado em: Sem tempo para ler? Aperte o play abaixo e ouça o artigo!

Contar com soluções tecnológicas, como software jurídico, nos escritórios de advocacia e nas empresas é uma grande vantagem para a gestão. Um bom programa auxilia os profissionais a executarem tarefas cotidianas com mais produtividade e rapidez. Mas para que todos usufruam dos benefícios que o software jurídico pode proporcionar, o programa deve ser estável e estar sempre no ar.

Faça um paralelo simples com seu dia a dia. Quantos transtornos podem ser causados com o simples fato de um aplicativo de mensagens, como o WhatsApp, ficar indisponível? Os usuários ficam sem acesso e insatisfeitos, fazendo com que a empresa perca valor.

Por isso, um software jurídico deve apresentar estabilidade, de modo que as equipes possam trabalhar sem interferência. Veja a importância de ter um sistema estável!

Estabilidade do software jurídico

Estabilidade do software jurídico pode ter algumas acepções, conforme a abordagem. A mais técnica diz respeito à fase de desenvolvimento do programa. Versão estável é a versão final de um software. Ela aparece após as versões alpha (rascunho), beta (primeiro teste) e pré-lançamento. Do mesmo modo, os programas estáveis são testados para que os desenvolvedores se concentrem na correção de bugs e outros problemas encontrados pelos usuários. Em seguida, o programa é lançado.

Na linguagem mais simples, a estabilidade do software jurídico está ligada ao fato de ele funcionar como deveria. Ou seja, o sistema é estável quando não apresenta muitos problemas (bugs) que o impedem de funcionar corretamente. Para que a estabilidade seja frequente, existem as atualizações, que corrigem eventuais falhas que o programa apresenta.

Se seu escritório utiliza um software que fecha inesperadamente, ele pode ser considerado instável. O usuário tem uma experiência de uso inconsistente. Para ser considerado estável, ele deve apresentar um comportamento previsível, ou seja, entregar o que se espera.

Estabilidade x disponibilidade

Imagine que você está utilizando o software jurídico e, de repente, ele fica fora do ar. Ele é instável? É muito provável que sim. Mas essa situação se caracteriza como indisponível. E qual a diferença entre estabilidade e disponibilidade?

Pense nas fases de desenvolvimento de um software. Uma versão beta pode ser disponibilizada para uma comunidade de usuários para que eles utilizem o programa e apontem considerações, falhas, benefícios. Essa versão é, normalmente, instável, por ainda ser uma versão de teste. Mas ela está disponível. Isso também pode acontecer com programas lançados, como o Windows 10, que estava disponível, mas não apresentava estabilidade, pois não estava funcionando adequadamente. 

É muito comum que um programa se mostre indisponível por também ser instável, não conseguindo processar um grande volume de informações ao mesmo tempo. Essas situações prejudicam bastante a imagem da empresa de tecnologia que o oferece, motivo pelo qual os testes são realizados para verificar o nível de estabilidade em diversas situações.

Importância da estabilidade para um software jurídico

Um software jurídico sem estabilidade pode comprometer a produtividade de toda a equipe. O programa em pleno funcionamento facilita os processos de trabalho e a colaboração, mas basta não processar corretamente as informações para que tudo vire um caos. Diante desse cenário, a estabilidade do software é importante para integridade, performance, segurança, escalabilidade e para ter um sistema responsivo.

Integridade

A integridade de um software jurídico é uma das consequências da estabilidade. Qual a resistência do programa às falhas? Ele consegue permanecer íntegro mesmo diante de um alto volume de dados?

Imagine que você possui um processo bem antigo, com centenas de movimentações e documentos. Ao acessá-lo, qual é o comportamento do software diante de tantas informações? Se ele suporta bem a ação requisitada, a integridade está garantida pela estabilidade.

Performance

Poucas coisas são mais irritantes nos dias atuais do que esperar minutos para que um programa responda à solicitação do usuário. A performance trata exatamente desse ponto: velocidade na entrega. Para entendê-la, é comum que sejam realizados 3 tipos:

  • Teste de carga: testa tempo de resposta, número de transações por minuto e uso simultâneo do software em condições normais;
  • Teste de stress: é o teste de carga em condições extremas de uso (grande volume de transações e usuários simultâneos em picos excessivos de carga);
  • Teste de estabilidade: o sistema se mantém funcionando satisfatoriamente após um período de uso.

Um software jurídico estável consegue garantir boa performance em qualquer condição de uso.

Sistema responsivo

Sistemas responsivos são aqueles facilmente acessados em computadores e em dispositivos móveis, como é o caso do CPJ-Connect. E isso não diz respeito somente à aparência, mas ao tempo de resposta nos diversos equipamentos com capacidade de computação. Os recursos deve estar disponíveis de forma clara para que o usuário não perca tempo procurando.

Quando um software jurídico apresenta estabilidade, é muito mais fácil conseguir que ele seja responsivo.

Segurança na atuação da advocacia

A estabilidade também é um ponto fundamental para a segurança na atuação da advocacia. Ter um programa estável evita incidentes, como perder o prazo do julgamento ou de realizar uma diligência no processo, pois o usuário poderá verificá-lo ou ser notificado a cada nova movimentação.

Escalabilidade

Escalabilidade é a capacidade de adaptação do software ao crescente volume de trabalho, seja por aumento de acessos simultâneos ou pelo incremento do processamento de informações. Essa característica é muito desejável em qualquer programa e só pode ser garantida por sistemas estáveis.

A estabilidade de um software permite pesquisa de grande escala, a utilização de vários usuários ao mesmo tempo, e a elaboração de relatórios prontos de imediato.

Estabilidade é uma premissa fundamental para um software jurídico, pois é a partir dela que se desenvolvem características que possibilitam o bom funcionamento do sistema. É importante destacar que um sistema estável também é mais propenso à integração com outras tecnologias, o que também proporciona maior produtividade e rapidez na execução das atividades diárias. Lembre-se que existem muitos benefícios a serem usufruídos por escritórios e departamentos jurídicos que possuem um bom software jurídico.

Se você deseja ter um sistema que funcione perfeitamente, oferecendo todos os serviços a que se propõe na maior parte do tempo, precisa conhecer o software da Preâmbulo.