Por que muitos advogados líderes fracassam?

Publicado em: Sem tempo para ler? Aperte o play abaixo e ouça o artigo!

Advogados líderes têm capacidade de atrair, influenciar e comandar pessoas. No escritório de advocacia ou no departamento jurídico, conseguem conduzir suas equipes e comandá-las em direção a um determinado fim. No entanto, não é raro ver alguns fracassando nessa liderança. Se, na teoria, eles unem habilidades suficientes para que isso não aconteça, quais são os motivos que levam advogados líderes a fracassar?

Algumas falhas podem passar despercebidas. Quando elas não são corrigidas, os erros se repetem e o negócio fica comprometido. Quer entender melhor por que muitos advogados líderes fracassam? Confira!

Porque possuem uma equipe homogênea

“Se todos pensam igual, então ninguém está pensando”. Essa fala de Benjamin Franklin é o chamado Efeito do Falso Consenso, na visão da psicologia. De forma simples, as pessoas extrapolam suas crenças e opiniões para acreditar que existe um senso comum. Mas ele não existe. E esse vício de concepções e interpretações da realidade leva a inúmeros fracassos, pois não se considera perspectivas e necessidades reais.

Esse modelo mental limitante é uma característica comum em equipes homogêneas. Ele tem como consequência, inclusive, algo que deve ser combatido por advogados líderes: o desconforto em discordar e questionar. É muito fácil perceber que, em uma equipe homogênea, todos permanecem em uma zona de conforto.

Outro desdobramento desse modelo é o foco no medo de falhar, ao invés do foco na necessidade de aprender. Ou seja, em uma equipe homogênea, estão todos estagnados naquele pensamento semelhante. E essa pode ser a causa do fracasso dos advogados líderes.

Equipe plural

Não é possível crescer quando todos estão no mesmo pensamento e ação. Por isso, nos escritórios de advocacia e departamentos jurídicos, o líder deve procurar sempre montar uma equipe plural, que é sinônimo de ampliação das possibilidades e soluções jurídicas. É quando a inovação acontece, com diferentes competências e pontos de vista.

Essa troca entre colaboradores com características e habilidades diferentes é fundamental para uma prestação de serviços otimizadas na advocacia. Com um ambiente de trabalho que respeita as diferenças e as utilize para alcançar melhores resultados, os advogados líderes conseguem bons resultados.

Quer uma dica? Tenha profissionais com experiências diversas, em inúmeros aspectos, como racial, religioso, de gênero, geracionais e profissionais.

Porque muitos advogados líderes têm postura autoritária

Muitas organizações (e aqui também se incluem escritórios de advocacia e departamentos jurídicos) possuem um dos estilos de liderança mais tradicionais: autoritário. E isso não é nada bom. A liderança autoritária é aquela com ênfase no líder, na execução das tarefas mediante o obedecimento às regras pré-estabelecidas.

A grosso modo, o líder é o dono da verdade, ditador de ponto de vista. Só sua opinião é considerada. E isso define todas as ações. A participação dos demais colaboradores é descartada.

Esse tipo de liderança é um dos motivos pelos quais vemos advogados líderes fracassando. Isso porque eles impactam negativamente na rotina do escritório ou departamento. As equipes, normalmente, sentem medo, ficam desmotivados e se tornam improdutivos. É uma insatisfação geral com a situação.

Para que isso não aconteça, os advogados líderes devem dar abertura para suas equipes, ouvir atentamente suas demandas e propostas e ser humilde para reconhecer o desconhecimento sobre algo. Ao ouvir os liderados, é possível aproveitar as características de cada um e construir juntos os objetivos e resoluções do negócio.

Porque lideram à distância

Você já viu técnico de futebol comandando o time da arquibancada? Ele vê um jogo completamente diferente se comparado ao técnico que está na beira das quatro linhas. Liderar à distância não é eficiente. Um dos maiores fracassos dos advogados líderes é consequência desse distanciamento entre eles e suas equipes.

É preciso estabelecer uma relação entre líder e liderados para abrir o diálogo e alinhar o que acontece no escritório de advocacia ou departamento jurídico. Muitas vezes, a distância provoca uma visão limitada, e o líder não percebe os problemas. Pelo contrário, acredita que a equipe está engajada, mas, ao final, na avaliação do resultado, percebe a falsa impressão. O ideal é acompanhar o processo de perto, saber as demandas, e ter um canal de comunicação definido.

Vale destacar que isso não quer dizer prender o líder às tarefas operacionais. Porque isso seria outro fracasso. Mas é preciso aproximar. Mesmo se for uma gestão 3.0, que é voltada para a autonomia das equipes. Esse tipo de gestão depende da atuação dos advogados líderes que dão aos liderados capacidade e motivação para agir.

Porque acreditam que não podem demonstrar fraquezas

Advogados líderes não são indivíduos superiores. Existe um mito acerca das lideranças que diz que elas não podem demonstrar fraquezas. Muitos acreditam que elas possuem habilidades extraordinárias e respostas certas para guiar seus liderados. Essa mentalidade é péssima para o ambiente de trabalho, qualquer que seja ele, pois cria uma pressão desumana em cima dessas figuras.

Um líder pode hesitar, demonstrar dúvidas e dizer que não sabe sobre algum assunto. Está tudo bem. Isso é próprio da imperfeição humana. Mas e quando os próprios advogados líderes acreditam que não podem demonstrar fraquezas? Vem o fracasso. Isso tem o efeito contrário, por gera líderes inseguros e intransigentes, incapazes de solicitar auxílio e de criar uma atmosfera de colaboração na empresa.

A fraqueza é, na verdade, uma ferramenta poderosa da liderança e da inspiração de equipes. Porque a humanidade é o que cria laços de identificação interpessoal. Um líder que se diz perfeito, na verdade, transmite medo, porque se coloca como uma figura superior.

Demonstrar suas imperfeições e vulnerabilidades é uma forma de criar uma relação de respeito. Além de tornar o trabalho no escritório ou departamento mais prazeroso e divertido, consegue resultados superiores. Certamente, uma equipe baseada em colaboração mútua terá um alto desempenho. Não sabe como promover isso? Comece pelo feedback, é um ótimo início!

Os advogados líderes devem pensar em seus fracassos e erros como parte do processo de melhoria contínua. Do mesmo modo, devem investir e corrigi-los. Uma equipe plural, a proximidade entre todos, a liderança democrática e a aceitação das fraquezas são ótimas formas para começar.

A correção dos erros é necessária para fazer crescer o escritório, ainda que seja preciso voltar alguns passos. A condução da mudança também é responsabilidade dos advogados líderes. Que tal começar já?