Como está a saúde mental no escritório de advocacia?

Publicado em: Sem tempo para ler? Aperte o play abaixo e ouça o artigo!

Nos últimos anos, a preocupação com bem-estar aumentou. Pode ser uma resposta ao crescimento de certas doenças, como estresse, mas é também uma necessidade do mercado de trabalho. Estamos vivendo uma epidemia de exaustão, em que os profissionais são afastados por motivos psicológicos.

As pessoas estão enfrentando estilos de vida exigentes e padrões profissionais irrealistas. E isso não ocorre apenas em startups e agências de publicidades, por exemplo, mas também no meio jurídico. Diante desse cenário, o gestor precisa se preocupar com a saúde mental no escritório de advocacia.

O que compromete a saúde mental no escritório de advocacia?

Os advogados estão sujeitos a situações de estresse e cobrança a todo o momento, além de realizarem um trabalho predominantemente mental, que demanda alto nível de responsabilidade e comprometimento. Esses fatores comprometem a saúde mental no escritório de advocacia.

De um lado, a cobrança dos sócios por um bom desempenho, dentro dos valores e da missão do negócio. De outro, o atendimento ao cliente que, normalmente, é ansioso em relação a seu processo judicial, e demanda mais atenção. Fato é que, seja por fatores externos ou internos, o advogado será submetido a momentos estressantes.

E isso pode ocasionar a síndrome de Burnout.

Síndrome de Burnout

Recentemente, a Organização Mundial de Saúde enquadrou o burnout na 11ª Classificação Internacional de Doenças (CID), no código QD85 (capítulo de “Problemas Associados ao Emprego ou Desemprego”).

De acordo com a CID-11, “Burnout é uma síndrome conceituada como resultante do estresse crônico no local de trabalho que não foi gerenciado com sucesso. É caracterizada por três dimensões: sentimentos de exaustão ou esgotamento de energia; aumento do distanciamento mental do próprio trabalho, ou sentimentos de negativismo ou cinismo relacionados ao próprio trabalho; e redução da eficácia profissional”.

Como melhorar a saúde mental no escritório de advocacia?

O advogado está muito suscetível a exaustão. Como pontuamos, o burnout é uma síndrome comum entre esses profissionais, dada a natureza do trabalho. Por isso, é fundamental que o gestor pense sempre em melhorar a saúde mental no escritório de advocacia. Muito além de um salário justo e um ambiente de trabalho positivo, os funcionários querem viver bem, profissional e pessoalmente. Mas como trabalhar em prol disso?

O primeiro passo é examinar atentamente o que está causando pressão sobre os funcionários e entender o que compromete a saúde mental no escritório de advocacia. Para isso, é preciso se comunicar de maneira específica com cada um, entendendo, em um nível pessoal, quais as necessidades de cada funcionário. Tratar a todos da mesma forma é ineficaz. Com essa abordagem, é possível elaborar perfis de funcionários que podem ser usados ​​para o desenvolvimento de programas e ofertas de benefícios.

Em seguida, veja como os fatores de estresse atuam. Se os advogados estão mais preocupados com suas finanças pessoais, uma boa política salarial é fundamental, assim como programas de bem-estar financeiro, planos de aposentadoria privada e outras medidas. Outro ponto que compromete a saúde mental no escritório de advocacia é o estresse do trabalho em si. Com boas ferramentas, como o software jurídico, o gestor consegue minimizar a carga de trabalho dos advogados. O sistema se responsabilizará pelas tarefas burocráticas.

Veja outras formas de melhorar a saúde mental no escritório de advocacia:

  • Implementar políticas centradas nos funcionários, como horários de trabalho adaptáveis (inclusive com permissão de home office), licença remunerada para cuidar da família, folga adicional etc.;
  • Incentivar o desenvolvimento pessoal por meio de programas de aconselhamento psicológico, educação financeira, orientação nutricional e incentivos (descontos) em atividades físicas;
  • Incentivar o desenvolvimento profissional por meio de treinamentos de capacitação, custeio de educação à distância (graduação, especialização etc.), cursos de atualização etc.;
  • Oferecer benefícios que melhorem a vida dos profissionais fora do escritório, como programas que recompensam comportamentos saudáveis, assinatura de aplicativo de meditação (permitindo seu uso no escritório, inclusive);
  • Criar uma cultura confiante e atenciosa, reconhecendo as realizações dos funcionários (feedback) sempre que possível;
  • Garantir que todos compreendem sua importância para o sucesso do escritório de advocacia;
  • “Formação” sobre saúde mental para os gerentes do escritório;
  • Entender realmente o que motiva os funcionários.

O Walmart, uma das maiores multinacionais e lojas de departamento do mundo, desenvolve programas diversos para seus funcionários. Eles tratam de capacitação e formação profissional principalmente, mas há programas voltados para saúde e bem-estar, como Resources for Living, um serviço gratuito de aconselhamento confidencial e informações sobre saúde.

Quais os benefícios de prezar pela saúde mental dos funcionários?

O grande benefício de prezar pela saúde mental no escritório de advocacia é o próprio bem-estar. O trabalho significa muito para qualquer pessoa. É por meio dele que todos nós obtemos mais satisfação, perseguimos nossos objetivos e alinhamos nossos valores e experiências com mais autenticidade. E o empregador possui grande impacto nessa busca, motivo pelo qual esse ambiente deve ser o melhor possível.

É claro que funcionários mais felizes e satisfeitos no trabalho são mais produtivos e prestam um serviço de qualidade. Esse bem-estar laboral certamente chega ao cliente, resultando em prosperidade para o escritório. Além disso, eles se tornam fiéis, mais acionados e bem-sucedidos. Qual escritório de advocacia não deseja contar com funcionários assim? Mas essa é uma consequência que diz respeito ao negócio.

Prezar pela saúde mental dos funcionários é fundamental para sua felicidade. E isso já é motivo suficiente.

No estudo da Metlife sobre tendências de benefícios dos empregados norte-americanos, foi feita uma análise de como os empregadores podem atrair, envolver e reter os melhores talentos, ajudando os funcionários a prosperar no trabalho e na vida. Além de abordar a forma de criar um local humano de trabalho, remodelando esse ambiente, a pesquisa revelou os motivadores da felicidade no trabalho. São 5, listados em ordem de importância:

  1. Confiança dos funcionários na liderança de sua empresa;
  2. Compromisso dos empregadores com os empregados e seu sucesso;
  3. Uma cultura em que os funcionários são incentivados a compartilhar idéias e opiniões individuais;
  4. Um local de trabalho onde os colegas de trabalho se sintam familiares ou amigos;
  5. Benefícios personalizados para atender às necessidades dos funcionários.

Essa cultura confiante e solidária permite ao gestor atender às necessidades dos funcionários, que se sentem mais felizes. E você? O que tem feito para manter a saúde mental no escritório de advocacia? Você está apoiando o bem-estar de seus funcionários? Quais os programas seu negócio implementou nos últimos anos? Conte para a gente sua exper