Tecnologia e o Futuro da Advocacia

Publicado em:

Está sem tempo para ler? Aperte o play abaixo e ouça o post em áudio!

Já imaginou fazer a gestão jurídica sem tecnologia em plena 4ª Revolução Industrial? Queda de produtividade e organização é o mínimo que pode ocorrer. Atualmente, há tendências tecnológicas que moldam o futuro da advocacia, e o advogado precisa estar ciente do que isso significa. Em especial, deve procurar formas de se integrar a ela para ofertar um serviço mais qualificado ao cliente.

Veja no post a relação entre a tecnologia e o futuro da advocacia, e comece já a se preparar!

Aplicação da tecnologia e o futuro da advocacia

Quantos recursos digitais avançados você utiliza em seu escritório? O futuro da advocacia é baseado em um ambiente completamente digital, que inclui as maiores inovações para o setor. Não à toa, nos últimos dois anos, vimos um crescimento enorme de legaltechs. E as inovações não dizem respeito somente à gestão otimizada do negócio.

A ideia do software jurídico, do Big Data, da inteligência artificial, da jurimetria e de outros recursos é aprimorar a própria prática jurídica, auxiliando diretamente advogados e demais funcionários do escritório.

O blockchain na advocacia já é um bom exemplo de tecnologia disruptiva que vem ganhando espaço nos últimos tempos. Veja outras a seguir que contribuem para a gestão jurídica e para a prática da advocacia!

Gestão de dados com software jurídico e Big Data

O futuro da advocacia depende da capacidade dos gestores lidarem com um volume absurdo de dados. O Big Data Jurídico são grandes bases de dados de processos judiciais alimentadas por robôs de automação. Esses robôs capturam informações automaticamente de diversas fontes. Sua função é subsidiar os serviços das diversas áreas de um escritório.

Os processos judiciais conferem informações valiosas que podem ser utilizadas em benchmark setoriais e em Due Diligence Jurídicas, por exemplo. Para sistematizar tudo em um só lugar, os escritórios utilizam softwares jurídicos que possuem funcionalidades capazes de suportar tanta informação. É o caso do CPJ-3C.

Inteligência artificial e jurimetria

Um advogado que consegue entender as reais necessidades dos clientes, prever comportamentos, identificar padrões e tendências tem tudo nas mãos para oferecer o melhor serviço. Se ele adota essas práticas, é provável que ele utilize a jurimetria, uma ferramenta já adotada em alguns locais e que retrata bem o que é o futuro da advocacia.

Conforme escrevemos em outra oportunidade, dedicada somente a falar dessa tecnologia, “jurimetria é a metodologia de estudo utilizada para compreender processos e fatos jurídicos a partir de modelos estatísticos […]. Ela descreve interesses concretos de agentes jurídicos, os conflitos e as soluçőes oferecidas pelos magistrados. De forma mais simples, a jurimetria é capaz de identificar os padrões decisórios na Justiça, as mudanças de paradigmas e os novos posicionamentos de magistrados”.

Já a inteligência artificial já é uma tecnologia mais comum, que está no mercado há mais tempo. Certamente, ela também é o futuro da advocacia porque é a base para o desenvolvimento de muitas tecnologias disruptivas que podem ser aplicadas no escritório e nos departamentos jurídicos.

Um computador que aprende a pensar como humano a partir das ações nele executadas, que aprende a cada dia mais, é muito útil em qualquer negócio. Na gestão de escritórios de advocacia, a inteligência artificial se manifesta de diversas formas, como:

  • Mineração de dados (data mining): extração de dados a partir da leitura automática de documentos.
  • Smart contracts: contrato com cláusulas auto executáveis, que são acionadas quando as condições pré-determinadas acontecem;
  • Robôs de automação: capturam e cadastram dados automaticamente a partir de sites de tribunais, diários oficiais e outros. Costumam estar inseridos nos softwares jurídicos;
  • Chatbot: robô de comunicação automatizada eficiente para aprimorar o relacionamento com o cliente;
  • Revisão contratual: algumas plataformas, como a LawGeek, são capazes de revisar contratos em menos de 1 hora.
  • Machine learning: “Aprendizado da máquina” é uma solução que utiliza algoritmos ao coletar dados afim de determinar ou prever algo. No escritório, faz a função de em software de pesquisa, reunindo, identificando e abstraindo argumentos, conceitos e leis para utilizar em petições, e analisando documentos.

Benefícios da tecnologia no mercado jurídico

Diante das incontáveis ferramentas que podem ser utilizadas no mercado jurídico, é possível perceber que o futuro da advocacia será altamente tecnológico. Os maiores benefícios de ter um Direito 4.0 é a produtividade e a organização da gestão.

Se a inteligência artificial, por meio de seus robôs de automação, consegue realizar toda a atividade burocrática do escritório, os advogados focam nas atividades estratégicas, como o atendimento ao cliente, onde são realmente indispensáveis. A economia de tempo e a agilidade que a tecnologia proporciona torna os profissionais mais produtivos.

Dispositivos móveis, aplicativos e softwares de gestão andam lado a lado dessas tecnologias disruptivas, otimizando a oferta de serviços e automatizando a gestão.

A tecnologia não coloca em risco o futuro da advocacia. Ela é, na verdade, uma forma de elevar o nível do serviço. Para tanto, os profissionais, ao invés de temerem a perda de seus postos de trabalho, devem se integrar às inovações para proporcionar aos clientes o melhor serviço possível. É um grande passo para se destacar da concorrência.